Num mundo sem parar, dormir significa uma perda de tempo ou algo menos importante do que uma aula de natação, um treino ou o término dos trabalhos de casa. Na recente entrevista dada ao DN pela maior especialista de sono em Portugal, a Doutora Teresa Paiva, pode ler-se que somos “o país no mundo que se deita mais tarde, sendo que se levanta à mesma hora dos outros”. Ao contrário do que possa parecer, dormir não é nada aborrecido e muito menos desinteressante: “O sono é o equilíbrio, um estado altamente ativo que vem reequilibrar a vigília e preparar para o dia seguinte”. É fundamental encarar este momento do dia como precioso, no sentido de sermos sérios e regrados, e mágico, para que possamos envolvê-lo com ternura e fantasia. Educar a criança para a rotina do sono significa guiarmo-nos por algumas regras bem definidas:

  1. preparação para ir dormir

“A preparação para dormir deve ser feita com baixa luminosidade, tal como acontece na natureza. Precisamos de tranquilidade antes de irmos para a cama.” Tablets, telemóveis ou qualquer ecrã não são bons aliados para o sossego. O pijama, os dentes lavados, um banho e o corpo confortável são um bom convite para a chegada do sono.

  1. local para dormir

O quarto da criança com tons claros, luz suave, bonecos, fotografias, garantem uma sensação de segurança. É importante que a criança desenvolva um sentimento de pertença em relação ao seu quarto, que o sinta como o seu maior amigo dentro de sua casa! O lugar das brincadeiras, do objeto preferido, da tranquilidade e de maior intimidade.

  1. hora de adormecer

Quanto ao adormecer e o deixar a dormir, são conceitos muito diferentes. O momento do adormecer vem acompanhado de um adulto de referência para a criança e de uma história. Já o momento em que a criança realmente adormece, deve ser feito unicamente pela criança. Deixar a criança sozinha, não é a mesma coisa do que abandoná-la. Ao fazê-lo estamos a ajudá-la a desenvolver a capacidade de saber estar consigo própria, conhecer-se e sossegar-se. Autoconsciência, autoconhecimento e autocontrolo.

Quando falamos de sono na criança é importante relembrar que entre os 6 e os 12 anos deve dormir 9 a 12 horas e o adolescente dos 13 aos 18 anos, 8 a 10 horas. O critério mais importante é cumprir o mesmo número de horas pelos 7 dias da semana e não “compensar” ao fim de semana. Mais uma ideia fundamental, “É durante o sono que as funções essenciais à cognição, à memoria, à aprendizagem, à criatividade, ao equilíbrio emocional e ao equilíbrio do corpo são repostas e reorganizadas”. Vamos dormir sobre este assunto? Boa!!!

Por Sara Berény, Psicóloga Clínica, especialista em Desenvolvimento Infantil e Juvenil e Parentalidade; fundadora da Clínica Vila Maria Alice dirigida a crianças, jovens e suas famílias; responsável pelo Serviço de Psicologia da escola OSMOPE; colabora regularmente com o Porto Canal.

Mais informações sobre a autora: www.sarabereny.com