Atualmente todos os professores reconhecem as vantagens da utilização das tecnologias para a transmissão de conhecimentos. O recurso à apresentação de um powerpoint ou de um vídeo e a aplicação do kahoot na gestão e avaliação de conhecimentos assumem-se como práticas correntes do percurso formativo partilhadas pelos docentes, constituindo ferramentas indispensáveis para produzir aulas apelativas.

A internet é utilizada como fonte de pesquisa já há algum tempo, cabendo aos educadores a tarefa de orientar os alunos na busca de informações. Compete ao docente analisar cada ferramenta tecnológica e selecionar as que se mostrem mais aptas para responder satisfatoriamente às necessidades dos alunos e aos objetivos educacionais.

A nova geração de discentes parece dotada de uma capacidade inata para dominar a tecnologia. As aulas tradicionais em que o professor transmitia oralmente os conhecimentos não conduzem hoje ao sucesso escolar, por melhor comunicador que seja o docente.

É certo que a tecnologia, por si só, não garante o sucesso educativo. No entanto, permite, pela sua multiplicidade, enriquecer as aulas e tornar os processos de ensino e aprendizagem mais atraentes e inovadores.

O leque de tecnologias com possibilidade de aplicação no ensino é muito amplo, logo, cumpre ao docente conhecer e dominar cada uma delas, escolhendo as que mais eficazmente transmitam os conhecimentos aos alunos.

Recentemente vimos utilizando o Kahoot, ferramenta que desperta o espírito competitivo dos alunos e avalia de forma rápida e eficaz o modo como os conhecimentos foram assimilados. Esta ferramenta exige que os alunos possuam telemóveis em que a aplicação funcione ou que na sala de aula exista um computador por aluno, com ligação à internet. Sendo uma ferramenta que motiva os alunos, já que lhes permite jogar e competir uns com os outros, tem a vantagem suplementar de desenvolver igualmente a rapidez de raciocínio. Para o professor a utilidade do seu manuseamento decorre do facto de o habilitar a identificar, muito rapidamente, através do número de respostas certas/erradas, as áreas onde os alunos revelam maiores dificuldades. Não obstante os benefícios que lhe são concomitantes, esta ferramenta não deve ser utilizada de forma sistemática, menos ainda exclusiva, constituindo, a par de outros, um meio de consolidação de conceitos estruturantes.

A utilização de tecnologias na sala de aula afigura-se hoje imprescindível ao processo de ensino, enfrentando, porém, constrangimentos vários que amiúde a dificulta ou até impede. Nesse quadro, resta ao professor usar a imaginação, adaptando-se às condições disponíveis vestindo a pele de um ator com elevada performance.

Cristina Lima | Professora no Agrupamento de Escolas de Canelas

http://agrcanelas.edu.pt/